30 de Outubro de 2015

Empoderamento é o caminho

“Desafiar as dificuldades fortalece o poder de transformação, inerente ao ser humano. Até uma tragédia pode lhe servir para o cumprimento de sua missão.” (Daisaku Ikeda)

Jovenito: um homem empoderado!

A história do empoderamento de Jovenito Carvalho Tavares é mais do que incomum. Sua trajetória de vida é o retrato de um ser humano que – literalmente – tomou o próprio destino nas mãos e o transformou.


A extrema pobreza foi a marca de sua primeira e segunda infâncias, e mais a adolescência. Nascido em Duque de Caxias-RJ, é o penúltimo filho de uma prole de oito irmãos. Antes dos dois anos perdeu a mãe no parto do seu irmão caçula. A miséria impõe circunstâncias emergenciais e, diante da total ausência de recursos, seu pai se viu obrigado a dar os filhos a outras famílias.


Sabe que até os 6 anos de idade viveu com diversas famílias até chegar à última. Vivia em uma casa grande e abastada. Certo dia, após ser seguidas vezes ultrajado e humilhado por uma das empregadas da casa, fugiu. Em sua fuga encontrou um grupo e os acompanhou até um lixão. Mal sabia que aquele seria seu lar por longos 10 anos. Acolhido por uma alma bondosa que ali vivia, deixou-se ficar neste limbo, levando uma vida irreal.


Os dias se resumiam a vasculhar o lixo desde o raiar do sol e, ao cair da noite, tentar dormir. Não saiu de lá uma vez sequer durante todos aqueles anos. Porém, um acidente mudou completamente sua rotina e sua vida. Uma séria infecção decorrente de um ferimento no pé resulta em sua internação em um hospital. Delirando de febre, Jovenito fica entre a vida e a morte. Meses se passaram até que o rapaz de 16 anos sobrevive. Ao sair do hospital curado, se vê diante de um mundo que desconhecia. Decide ficar na cidade, mas antes, volta ao lixão para buscar a mulher que o acolhera como uma verdadeira mãe. Recebe novo choque ao saber que ela falecera. “Me disseram que ela simplesmente amanheceu morta”, conta. A vida parecia que estava realmente disposta a colocá-lo à prova.


Sem documento, analfabeto – nunca havia sequer passado pela porta de uma escola – e sem lugar para ir, Jovenito permaneceu nas imediações do hospital, prestando pequenos serviços ao público que acorria em busca de atendimento. Um dia vê um homem cair na rampa e corre em seu auxílio. Carrega-o nas costas dizendo: “agüente firme que já estamos chegando”. Vítima de um enfarto, não fosse pelo jovem rapaz, teria morrido. Algum tempo se passou até que este homem recebesse alta. Buscou o rapaz que lhe salvara a vida.


Professor e proprietário de uma pequena escola, Benilton Carlos Bezerra, tornou-se seu tutor, pai, mentor. Deu-lhe as funções de vigia e faxineiro e um quarto nos fundos da escola que equipou com cama, fogão e geladeira. Era muito mais do que Jovenito jamais tivera! Ajudou-o a conseguir os documentos, não sabia sequer o sobrenome ou os nomes dos pais. Matriculou-o em um supletivo noturno e durante o dia, estudava com o patrão e mentor.


A vida prosseguia lépida e tranqüila. Entretanto, a verdadeira revolução ainda estava por vir. Na escola noturna conheceu Carolina, moça bela e talentosa com quem começou a namorar. Ela possuia um tesouro, mas nem sabia disso. Anos antes, seu irmão mais novo decidira-se por associar-se à BSGI e converter-se. A menoridade impedia-o de receber o objeto de devoção – o Gohonzon –, essencial para sua prática da filosofia humanística do budismo de Nichiren Daishonin, base da BSGI. Pediu à irmã que o fizesse por ele, no que aceitou de bom grado. Ao completar 18 anos, o jovem decidiu receber o seu próprio Gohonzon, para deixar o anterior com a irmã, pois sabia de seu valor inestimável.


Às vésperas do casamento, Carolina contou ao noivo Jovenito a história de sua involuntária conversão. Imediatamente Jovenito decidiu procurar alguém para devolver aquele objeto que não lhe pertencia e pelo qual não tinha qualquer interesse.


“Proponho que você ore, todos os dias por uma hora por 15 dias a este Gohonzon. Se nada mudar em sua vida, eu aceito de volta e, junto, eu devolvo o meu, que me acompanha há 30 anos!”, disse o homem que procurara para devolver aquele objeto de devoção. Jovenito assustou-se com a determinação de sua voz. Ele fora desafiado e algo o fez aceitar o desafio.


Voltou para casa e, como estava às vésperas do casamento e pedira férias ao patrão, tinha o dia livre. Em vez de uma, orou duas horas. Não queria que o homem viesse com o argumento que os resultados não aconteceram porque orara pouco. As duas horas diárias por vezes tornaram-se três ou quatro. Logo após o casamento a primeira surpresa: em segredo o patrão construíra um apartamento para ele e a esposa, mobiliado, e até mesmo com ar-condicionado, telefone e totalmente sem ônus. “É coincidência, ele já estava construindo antes de eu começar a orar”, pensou um ressabiado Jovenito.


No primeiro dia de trabalho após o casamento, nova surpresa: o patrão o promovera de faxineiro a auxiliar de escritório. “É coincidência de novo...”. Passados mais ou menos 45 dias daquele desafio – sem que ele tivesse deixado de orar um dia sequer – o proponente do desafio foi procurá-lo. Toma um susto, pois esperava encontrar o jovem casal vivendo em um quartinho, pois era o que Jovenito havia lhe dito. Ao encontrar o casal instalado em um apartamento muito bem mobiliado, ar-condicionado, telefone, perguntou se ainda tinha dúvidas da força da oração. “Eu ainda tenho dúvida. E na dúvida, eu não vou devolver mais nada não. Quero que consagre este Gohonzon eu até já comprei um oratório!”, foi a resposta.


Isso aconteceu em agosto de 1985 e as dúvidas de todas as ordens nunca o deixaram. Isso o impulsionou sempre a buscar respostas. Tanto que cursou o supletivo, a faculdade, o mestrado e o doutorado. Com a morte de seu mentor e tutor, assumiu a direção da escola. Depois teve a sua própria rede de escolas de Ensino Fundamental e Médio. Mais tarde vendeu tudo e foi dedicar-se à docência superior, ocupando cargos em prestigiosas universidades privadas e públicas.


Criou a sua própria escola de idiomas que está pronta para ser comercializada e franqueada. É coordenador geral de uma Escola de Qualificação na cidade de Macaé há 5 anos, instituição que prepara mão de obra para atuar nas plataformas de petróleo onde já formou e inseriu no mercado de trabalho mais de 10 mil alunos.


Buscou seu passado e encontrou todos os irmãos. Uma das quais é hoje sua companheira de fé budista, associada à BSGI. Carolina, sua esposa, é artista plástica, e seus filhos têm suas vidas realizadas e independentes. “Olho para trás e não acredito no quanto eu andei...”, ressalta o hoje professor doutor Jovenito. “Falo para todos que encontro sobre a capacidade deste Ensino de dar uma vida esperançosa e feliz, pois tenho a oportunidade de falar não como um filme que alguém viu, mas como alguém que viveu tudo isso. Sou extremamente grato ao presidente Ikeda por ter trazido este Ensino para o Brasil; à Lei revelada pelo buda Nichiren, e à BSGI por disseminar essa Cultura de Paz por todo este país para que mais e mais pessoas consigam empoderar-se e tornarem-se capazes de mudar suas vidas”, finaliza o empresário, professor, doutor e grande ser humano, Jovenito.


 

Voltar para o topo

Outras notícias

Setembro de 2017

Agosto de 2017

Julho de 2017

Junho de 2017

Maio de 2017

Abril de 2017

Mais notícias

Notícias + lidas

Sede Central da BSGI
Rua Tamandaré, 1007
Liberdade - São Paulo - SP
Brasil
CEP: 01525-001
Telefone
+55 11 3274-1800

Informações
informacoes@bsgi.org.br

Relações Públicas
rp@bsgi.org.br
Informações Gerais
Contatos
Newsletter

Redes Sociais
Facebook
YouTube
Instagram
Twitter
Sites Relacionados
Soka Gakkai Internacional
Daisaku Ikeda
Josei Toda
Tsunesaburo Makiguchi
Cultura de Paz
Editora Brasil Seikyo
CEPEAM
SGI Quarterly
Escola Soka do Brasil
Extranet BSGI